Re-consolado

Palácio das Artes, Porto, Portugal, 2013

Estudos neurológicos sobre memória individual explicam o processo de reconsolidação como um meio de reorganização da memória, onde novas informações são integradas nas experiências anteriores. Esta reestruturação de memórias consolidadas dá-se tanto nas formas mais simples do condicionamento animal como nas mais complexas memórias autobiográficas.

Se novas experiencias reestruturam e reformulam velhas memórias individuais será que o mesmo principio se pode aplicar à construção da memória colectiva?

“Re-consolado” é um trabalho que relaciona elementos autobiográficos juntamente com outros referentes à memória pública Portuguesa, a fim de ensaiar possíveis transformações que um evento pode sofrer através da reconsolidação de suas memórias. O trabalho tenta principalmente duas coisas. Por um lado abrir conversa sobre as nossas eternas esperas e por outro medir a iconografia das nossas crenças.

Uma estátua de D. Sebastião, uma estátua da irmã Lúcia, 2 balanças digitais, 2 expressões populares, 2 pedestais, 2 baldes, 2 cores (verde e vermelho), um par de óculos escuros, um martelo, um penso para corrigir a vista e uma camisa amarela.

Photo credits: Nella Turkki